segunda-feira, setembro 01, 2008

O trabalho antes da Festa!


A Festa do Avante (é já no próximo fim de semana...) faz-se com o trabalho voluntário de muitos militantes e simpatizantes do PCP. Participar nas brigadas de trabalho é experiência enriquecedora: além do convívio, e dos amigos que se fazem nessas ocasiões, aprende-se sempre alguma coisa com os mais experientes nessas lides (aqueles que participam na construção da Festa há muitos anos).

Eu tive a felicidade de ajudar a construir a Festa, em diversas ocasiões, nas décadas de 1980 e 1990. Motivos pessoais e profissionais fizeram com que deixasse de marcar presença nessas jornadas de trabalho. Mas o meu respeito e a minha admiração pelos obreiros da Festa mantêm-se intactos.

A imagem que ilustra este "post" é de 1991: o segundo ano em que a Festa do Avante se realizou no terreno da Quinta da Atalaia (cidade de Amora, concelho do Seixal...). O resultado desse trabalho (ou seja: a Festa propriamente dita) foi divulgado pelo semanário do PCP (o Avante!, pois claro) numa memorável foto-reportagem.

Encontram algumas dessas imagens no Almada Cultural (por extenso).

Aqui:

3 comentários:

Arlindo disse...

... um hino aos contrutores do sonho... a festa é algo tão transcendente que é impossivel passar para palavras.Contrui-la foi estruturante na minha e em milhres de vidas de jovens portugueses. Para quem a Festa, a Verdadeira Festa, é como o projecto politico e social que defendemos, "dá pica lutar pela transformação do mundo, contruir a mudança, contruir a cidade dos sonhos, depois às 19h00 de 6ºfeira, passa-se a bola aos visitantes, aos que, salvo milhares e milhares de excepções, dão as maiorias aos que os habilmente os controlam e os exploram. 3 dias num apice, deguidos de uma segunda feira horrivel... Não só por ter inicio o "bota abaixo", a teoria de que destruir é fácil e rápido, contruir custou suor voluntário, foi dificil e levou um DELICIOSO muito TEMPO.
QUE VIVAM OS CONTRUTORES DS FESTA, porra!

Luis disse...

Acho que até a Lúcia no Seu Descanso abandonaria a romaria a Katmandu e regenerava forças ajudando a construir aquela cena única por ser feita assim, como aí está, com a pica natural de quem quer uma vida melhor PARA TODOS. O trabalho voluntário é a expresão mais alta da liberdade individual quando potencia toda a alegria e criatividade e transmite a confiança num amanhã, não só melhor, como deveras possível e urgente. Como a festa sempre o comprova e comprovará, com a força do Partido que lhe dá vida e dos homens e mulheres que com ele lutam contra a apatia e o conformismo, fomentados por quem explora o povo e vende o País para seu proveito próprio, essa grande e delinquente burguesia...Que grande Festa que vai ser!

Debaixo do Bulcão disse...

Arlido e Luís: concordo inteiramente convosco! Nada a acrecentar.

AV