domingo, abril 06, 2008

Um jornal chamado Aponte (Montijo, início da década de 90)


A propósito da (agora finalmente decidida) "terceira travessia do Tejo", lembrei-me do tempo em que a única ligação entre as duas margens deste estuário era a ponte 25 de Abril. E lembrei-me, também, de vos trazer aqui um jornal que (num tempo em que se debatia onde iria ser construída a "segunda travessia") pugnava pela opção Olivais - Montijo.


Chamava-se, o jornal, Aponte. Era um semanário regional, sedeado no Montijo. E custava cem escudos - o que, em 1992, não era nada barato.


Eu - que, precisamente em Novembro de 1992, estava a começar a minha carreira profissional como jornalista, na Rádio Baía - era, então, leitor assíduo desse jornal. Também gostava de ler os outros órgãos regionais (na região de Setúbal, entenda-se...) de imprensa escrita - que, salvo erro, eram apenas, nesse tempo, o "Actual" e o "Outra Banda"- Mas este, "Aponte", era-me particularmente útil, porque encontrava ali informações de "agenda", que me serviam para preparar os noticiários locais da rádio.

Como podem verificar, lendo a ficha técnica desse jornal, já andavam por lá duas pessoas com as quais, mais tarde, tive o privilégio de trabalhar: Artur Vaz e Marina Caldas. Os outros, não conheci, nem conheço.
Aliás, para dizer a verdade, não faço nenhuma ideia de qual foi a história, e o destino, deste interessante órgão de comunicação social. Alguém me esclarece?

Sem comentários: