sábado, agosto 09, 2008

"Memórias Olímpicas"...


De duas em duas décadas, os Jogos Olímpicos acontecem num ano "terminado em oito". Foi assim em: Londres 1908; Amsterdão 1928; Londres 1948; México 1968; Seoul 1988.

Agora que os Jogos de 2008 começaram em Pequim, gostaria de partilhar convosco alguma informação sobre edições anteriores. Mas, porque foram muitas, vou limitar-me, precisamente, às que decorreram em anos terminados em oito. (É um critério como outro qualquer, não vos parece?)

No entanto, e para começar... comecemos pelo princípio: ou seja, pela primeira olimpíada da "era moderna", em 1896.





Esta página (e as que irei colocando neste blogue durante os próximos dias) pertence a uma publicação - uma revista de 24 páginas - editada em 1988 (sim, há 20 anos...) por uma marca de material de escritório que patrocinou os jogos desse ano.




Era (e é: ainda a tenho!) uma publicação comercial, sim, mas também informativa (e de uma forma muito interessante, aliás).


Transcrevo o texto da página 2:


«Nascidos entre as brumas da mitologia, os Jogos Olímpicos são únicos.Concebidos há mais de 3000 anos pelos Gregos antigos, os Jogos encerram princípios que são válidos nos dias de hoje, na busca da perfeição. Fazer melhor. Reunir as pessoas. Estabelecer novos limites no campo dos empreendimentos humanos.


Não são as medalhas que contam: estas representam um meio, não um objectivo. O que mais interessa é a oportunidade de dar o melhor de si próprio. Desde que Coroebus de Elis se tornoui o primeiro campeão olímpico de que há registo, em 776 a.C., que homens e mulheres se têm dedicado a este ideal. Alguns conseguiram uma fama passageira, poucos se tornaram em lendas imortais. Mas todos, cada um à sua maneira, deixaram a sua marca no mundo.


Os Jogos Olímpicos constituem um ponto de convergência para o mundo.»



2 comentários:

Marreta disse...

É este o verdadeiro espírito olímpico que os diferencia de todas as outras competições, ou pelo menos devia ser...
Saudações olímpicas do Marreta.

Debaixo do Bulcão disse...

Concordo, Marreta: devia ser!