domingo, janeiro 10, 2021

Mobilidade e medo em tempos de pandemia

 


Texto de Inês Lourinho, infografia Nuno Barbosa e Nuno Semedo

(artigo publicado na revista PRO TESTE, edição Janeiro 2021)


Ninguém o vê, mas todos o temem. O coronavírus tem condicionado as opções de mobilidade e o acesso ao espaço público. Quatro em cinco inquiridos receiam transportes públicos e eventos em recintos fechados. Quatro em dez têm medo inclusive de um simples passeio no jardim



O Verdadeiro dono disto tudo

O medo é um motor poderoso, que nos paralisa, nos leva à proteção de um esconderijo. Porque o sentimos? Por um primitivo impulso de sobrevivência, por um forte desejo de vida, ainda que inconsciente. A origem dos medos é complexa, não tem resposta de sim ou não, de preto ou branco. Mas muitos são resultados de um processo de aprendizagem.

Os últimos meses têm-nos parecido longos, como se desde aquele março, que, como todos os marços, prometia uma renovadora primavera, e ao invés nos trouxe a doença, tivéssemos vivido eternidades. Estes meses ensinaram-nos uma ampla paleta de cores do medo. Os boletins diários sobre a pandemia, as omnipresentes manchetes dos média, a desinformação na Internet propagada por incontáveis tribos de profetas pela verdade, as diretrizes das autoridades, ora para confinar, ora para desconfinar, e, em cima de tudo, a doença, o desemprego e a falta do contacto social têm construído um contexto de medo a que é difícil escapar.

Os resultados do nosso inquérito à mobilidade em tempos de pandemia não oferecem, por isso, grande surpresa. E são transversais aos países em que foi conduzido, sob os auspícios da Organização Europeia de Consumidores e do International Consumer Research and Testing: Alemanha, Áustria, Bélgica, Eslovénia, Espanha, Holanda, Itália, Lituânia, República Checa e, claro, Portugal. Os 11.273 inquiridos, dos quais 1.014 portugueses, têm uma forte perceção do risco de infeção nos transportes públicos, seja em viagens de pequena ou de longa distância. Ainda assim, portugueses e italianos são os mais receosos: 80% temem usá-los. O inquérito foi enviado em finais de outubro e abrangeu a população dos 18 aos 74 anos. As respostas recolhidas refletem as opiniões e as experiências dos inquiridos.


Teletrabalho, uma ideia com futuro?

A pandemia trouxe muitas alterações ao modo de funcionamento da sociedade. Para evitar aglomerações, sobretudo nos transportes públicos, o teletrabalho impôs-se sem pedir licença. Antes do advento da covid-19, cerca de três em quatro empresas ou empregadores não permitiam prestação dos deveres profissionais à distância. Com o confinamento, apenas uma em quatro não considerou tal possibilidade. Mas, se antes de o coronavírus nos ter sitiado em casa, as entidades patronais dos inquiridos portugueses pareciam menos adeptas do teletrabalho do que as dos outros dez países do estudo, na quarentena, tiveram das adesões mais elevadas.

Quando a Europa começou a ensaiar um desconfinamento, o teletrabalho sofreu uma quebra discreta, que se intensificou em outubro, altura em que recolhemos os dados do inquérito. Tudo sugere, porém, que, no pós-pandemia, este formato não venha a ser o Santo Graal que muitos vaticinavam. Segundo os inquiridos portugueses, as suas empresas estão dispostas estão dispostas a continuar com o teletrabalho, mas o incremento é algo modesto, nem chegando a 10 por cento. E, quando desagregamos os resultados por nível educacional, indicador de um emprego mais ou menos qualificado, vemos que as perspetivas de a empresa permitir o teletrabalho quando a pandemia se extinguir são exatamente iguais: 38% dizem que o cenário será possível.

Aos que têm a possibilidade de teletrabalho no longo prazo, abrem-se janelas de oportunidade no que se refere à organização das suas vidas. Uma percentagem apreciável gostaria de mudar de ares e habitar noutra zona do País, fosse a título permanente (13%), fosse de forma temporária ou alternada (26 por cento). São sobretudo os que vivem na região de Lisboa e Vale do Tejo a contemplar este plano, que pode aliviar a pressão sobre os grandes centros urbanos, tanto em termos de transportes, quanto no plano da habitação. E, ao analisarmos por idades, os mais novos, na faixa dos 18 aos 34 anos, e os mais seniores, dos 50 aos 74 anos, são os mais suscetíveis à ideia. Mas casos há - 22% dos inquiridos - em que a natureza do trabalho que desempenham não lhes permite pensar em cenários idílicos.


Medo omnipresente

Não podemos viver com o outro, nem sem o outro. Parece ser o lema dos nossos dias. Se temos saudades dos contactos presenciais, também os tememos, e muito. O medo da infeção passou a condicionar o tipo de meios de transporte usados por 60% dos inquiridos, assim como a periodicidade das deslocações de 82% e os lugares frequentados por 87 por cento.

Todas as formas de mobilidade diminuíram em uso, exceto os transportes próprios, como mota, bicicleta, trotinete e carro. Nota-se uma quebra de 10% nas caminhadas, entre outubro e o período anterior à pandemia. A desaceleração no uso dos transportes públicos por quem o fazia cm frequência semanal é idêntica, na ordem dos 11%, e faz-se sentir sobretudo entre os jovens da região de Lisboa e Vale do Tejo até aos 35 anos. São especialmente os que reportam um nível de estudos médio ou elevado e que vivem em zonas suburbanas ou rurais quem demonstra um temor mais acentuado. Em contrapartida, 19% dos inquiridos que usavam os transportes públicos semanalmente antes da pandemia afirmam que intensificaram o recurso ao carro próprio. A seguir a esta opção, destacam-se os jovens até aos 30 anos e com nível educacional mais elevado.


Mas, se os transportes públicos correspondem a um contexto central quanto à perceção de risco - e não falamos de perigo efetivo, que não medimos, mas daquilo que os cidadãos sentem -, outros espaços são associados a uma elevada probabilidade de infeção. Eventos em recintos fechados são receados por 79% dos participantes no estudo, enquanto bares e ginásios inspiram temos a 73 por cento. Já eventos ao ar livre, restaurantes, centros comerciais e hostels e guest houses são receados por cerca de metade. Nem mesmo os jardins públicos, onde seria possível respirar fundo face às preocupações com a covid-19, escapam aos receios de quatro em dez inquiridos.

E depois da pandemia? O inquérito sugere que os receios podem levar tempo a esvair-se. Uma parte dos inquiridos revela que irá deixar de usar transportes públicos, frequentar restaurantes ou fazer viagens turísticas, em Portugal ou no estrangeiro. A Ver vamos. A história ensina-nos que o medo face aos donos disto tudo, um dia, também morre.


fonte:

https://www.deco.proteste.pt/

Sem comentários: